Existe tratamento para a depressão?

como sair da depressão

Existe tratamento da depressão?

Quando você começa a se sentir deprimido e melancólico, aos poucos vai surgindo um sentimento de angústia, ansiedade e desânimo, sobretudo um estado de tristeza profunda. O que pode passar pela sua cabeça é que você não irá conseguir vencer essa fase.

Saiba que você não está sozinha nessa luta, hoje a depressão possui alarmantes índices no mundo inteiro, atingindo um número cada vez maior de pessoas. Vale ressaltar que dentro as afecções psiquiátricas, a depressão ocupa o terceiro lugar em prevalência.

O sofrimento causado pela depressão é difícil de ser mensurado, o que atrasa o diagnóstico e o tratamento. Em inúmeras vezes o portador dessa condição não sabe onde ou como procurar ajuda para entender como sair da depressão, e quando sabe a doença o deixa sem vontade de agir e procurar tratamento.

Apesar de tudo que afirmei acima, tenho uma boa notícia para você, aliás, uma excelente notícia! Até a forma mais grave de depressão possui tratamento, desde a terapia medicamentosa até mudanças no estilo de vida. E é sobre isso que iremos abordar no decorrer do artigo.

Caso você esteja se sentindo deprimido e não queira ler esse texto até o final, te peço que tenha força, eu estarei junto com você nessa jornada. Por outro lado, se você for parente de alguém que está com sintomas de depressão, atenção, leia com calma e ao final do artigo tire suas próprias conclusões e não perca tempo, ajude quem precisa.

Boa leitura!

 

 

O QUE EU PRECISO SABER ANTES DE EMBARCAR NESSA JORNADA?

Antes de mais nada eu quero que você consiga ter uma visão geral acerca dos fatores que estão envolvidos no tratamento da depressão, são eles:

  1. Medicação não é sua única opção. Mudanças no estilo de vida podem trazer bastante alívio;
  2. Permanecer em contato com outras pessoas é uma parte bastante importante do tratamento;
  3. Exercícios físicos regulares podem se tornar um potente antidepressivo, em alguns casos sendo tão eficazes quanto a medicação;
  4. Através da terapia é possível aprender inúmeras técnicas para ajudar você a combater a depressão;
  5. É muito importante que você possa descartar outras causas médicas de depressão, pois em cada caso haverá um tratamento diferente;
  6. Esteja sempre buscando mais informações sobre o tema, lendo artigos e outros materiais relacionados.

 

BUSQUE SEMPRE EXPLORAR AS VÁRIAS OPÇÕES DE TRATAMENTO PARA DEPRESSÃO

Da mesma forma que não existe duas pessoas afetadas exatamente pela forma de depressão, não existe um tratamento único para curar essa doença. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra.

Então a melhor maneira de aprender como tratar a depressão é aprender sobre as diversas formas de tratamento que existem, e buscar junto ao seu médico a melhor opção que atende suas necessidades.

Veja as principais dicas que irão fazer você ter mais controle sobre sua doença

  • Aprenda o máximo sobre sua depressão: é importante que você saiba identificar se seus sintomas são relacionados a uma condição médica subjacente. Caso seja, isso deve ser tratado em primeiro lugar. A gravidade da sua condição também é um fator muito importante. Quanto mais grave for a condição, mais intenso deverá ser seu tratamento.
  • Entenda que leva tempo até encontrar o tratamento certo: em muitos casos é necessário algum teste ou erro para que seja identificado qual o melhor tratamento para você. Um exemplo disso é caso você opte por fazer terapia, pode ser preciso que você troque de profissional até encontrar um com quem você se sinta confortável.
  • Não confie apenas no tratamento medicamentoso: as medicações são excelentes fatores de melhora dos sintomas de depressão, porém eles não são os únicos. Outros tratamentos são importantes, incluindo exercícios físicos e terapia, podem ser tão eficazes como a medicação em alguns casos. Caso você seja orientado a fazer uso de medicação, não esqueça, é essencial que você faça associação com mudanças no estilo de vida, procurando sempre ter hábitos saudáveis.
  • A importância do apoio: a cada nova relação que você cultiva, mas protegido você está da depressão. Caso você se sinta deprimido, angustiado, não hesite em conversar com seus familiares. Você pode até procurar grupos de apoio a depressão, eles estão sempre disponíveis para te ajudar. Lembre-se, pedir ajuda não é sinal de fraqueza e isso não significa que você é um fardo para os outros.
  • O tratamento exige tempo e compromisso: todos os tratamentos para depressão precisam de tempo, e ás vezes isso pode parecer extremamente lento e causar ainda mais angústia. Fique calmo, isso é normal. O processo de recuperação geralmente é acompanhado por altos e baixos. Seja firme!

 

QUAIS AS PRINCIPAIS MUDANÇAS NO ESTILO DE VIDA QUE CONTRIBUEM PARA O TRATAMENTO DA DEPRESSÃO?

Pequenas mudanças em seu estilo de vida são ferramentas simples, mas que exercem grande poder sobre a depressão. Em alguns casos elas podem ter tudo que você precisa.

Mesmo que você precise de tratamento medicamentoso, as mudanças no estilo de vida são essenciais no tratamento da depressão.

 

Veja as principais mudanças no estilo de vida que irão ajudar no tratamento da depressão

  • Prática de Exercícios Físicos;
  • Manter uma alimentação saudável;
  • Dormir bem;
  • Manter relação com familiares e amigos;
  • Fazer mudanças em sua vida para ajudar a reduzir o estresse.

 

ELIMINE AS CAUSAS MÉDICAS

Se você vem se sentindo cada vez mais deprimido e as mudanças no estilo de vida não surtiram nenhum efeito sobre isso, é interessante que você procure um médico para fazer um rastreio.

Se seus sintomas de depressão forem decorrentes de outras causas médicas, os antidepressivos e a terapia não iram surtir o efeito desejado. Os sintomas só irão aumentar até que o problema de saúde subjacente seja resolvido.

Seu médico irá avaliar se existe alguma causa que está imitando os sintomas da depressão e também verificar se você está tomando medicações que podem causar depressão como efeito colateral.

Muitas condições médicas podem causar sintomas depressivos, incluindo tristeza, fadiga e falta de prazer. Isso pode acontecer principalmente em mulheres com hipotireoidismo. Em pessoas mais idosas, que estão mais suscetíveis a fazer uso de grande quantidade de medicações, estão em risco maior de que hajam interações medicamentosas que causem sintomas de depressão.

Regra, quanto mais medicações fizer uso, maiores serão os riscos de interações medicamentosas.

 

ENCONTRE UM TERAPEUTA

Se você já buscou ajuda médica e foi constatado que não existe causa médica subjacente para seus sintomas de depressão, encontrar um terapeuta pode ser um excelente passo para você dar em seguida. Embora existam inúmeros profissionais em saúde mental, é importante que você se sinta conectado com o profissional que escolher. Ele será um grande parceiro em seu processo de recuperação.

Existem inúmeras formas de encontrar um bom terapeuta, você pode procurar indicações de amigos e familiares, e também pode perguntar ao seu médico referencias iniciais.

Se o problema for o custo, não se desespere, existem diversas organizações religiosas e comunitárias que disponibilizam terapias com profissionais altamente capacitados e com um baixo custo para você.

 

PSICOTERAPIA PARA O TRATAMENTO DA DEPRESSÃO

A psicoterapia é uma forte aliada no tratamento da depressão. Os ensinamentos que você aprende te dão diversas habilidades e insight para te ajudar a prevenir a depressão.

Existem diversos tipos de terapias disponíveis, e na maioria das vezes são utilizadas de forma mista. Alguns tipos ensinam técnicas práticas para você aprender a reformular o pensamento negativo, empregando habilidades comportamentais que combatem a depressão.

Fazer terapia não inclui somente momentos agradáveis, nessa busca por respostas você irá se deparar por momentos difíceis ou dolorosos. Não desista, seja honesta com seu terapeuta, ele fará de tudo para ajudá-la.

 

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO

Quando o assunto é depressão, o tratamento medicamentoso pode ser o mais anunciado, e muitas vezes é necessária. A depressão não é apenas um desequilíbrio químico no cérebro. A medicação pode ajudar a aliviar alguns sintomas da depressão moderada e grave, mas não cura problemas familiares, mas ajuda a lidar melhor com eles.

Converse com seu médico, busque entender qual a melhor alternativa para você.

Caso você já tenha iniciado o uso de alguma medicação para tratamento da depressão, não ignore os outros tratamentos. Mudanças no estilo de vida e a terapia não só ajudam a acelerar a recuperação da depressão, mas também fornecem habilidades para ajudar a prevenir uma recorrência.

 

POR FIM

Eu sei que você conseguiu chegar ao fim dessa jornada, por mais que em alguns momentos você tenha pensado em desistir, a vontade de buscar mais conhecimento sobre essa condição foi maior. E eu quero te parabenizar por isso, seja você um paciente ou familiar.

Foi uma longa e prazerosa jornada, espero que você possa colocar os conhecimentos aprendidos aqui em prática, buscando tratamento adequado com profissionais capacitados e orientando outras pessoas que precisam de ajuda.

Eu te espero nos próximos artigos. Abraço. Até mais

 

Referências Bibliográficas

BECK, Aaron T.; ALFORD, Brad A. Depressão: causas e tratamento. Artmed Editora, 2016.

STOPA, Sheila Rizzato et al. Prevalência do autorrelato de depressão no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, n. suppl 2, p. 170-180, 2015.

FEITOSA, Michelle Pereira; BOHRY, Simone; MACHADO, Eleuza Rodrigues. Depressão: família, e seu papel no tratamento do paciente. Encontro: Revista de Psicologia, v. 14, n. 21, p. 127-144, 2015.

COUTINHO, M. E. M. et al. ASPECTOS BIOLÓGICOS E PSICOSSOCIAIS DA DEPRESSÃORELACIONADO AO GÊNERO FEMININO. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, v. 19, n. 1, 2015.

FEITOSA, Michelle Pereira; BOHRY, Simone; MACHADO, Eleuza Rodrigues. Depressão: família, e seu papel no tratamento do paciente. Encontro: Revista de Psicologia, v. 14, n. 21, p. 127-144, 2015.

DE ALMEIDA FLECK, M. P. et al. Diretrizes da Associação Médica Brasileira para o tratamento da depressão (versão integral). Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 25, n. 2, p. 114-122, 2003.

NARDI, Antonio Egidio. Depressão no ciclo da vida. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 22, n. 3, p. 151-152, 2000.