Saiba mais sobre bulimia

bulimia - transtorno alimentar

Saiba mais sobre a bulimia

Conheça mais sobre esse transtorno alimentar grave

A bulimia é um transtorno alimentar que está diretamente ligado a um transtorno psiquiátrico que atinge, normalmente, as mulheres mais jovens. Um dos principais fatores que levam ao surgimento dessa doença é a valorização cultural de um estereótipo de beleza. Dessa forma, para se encaixarem nesse padrão, as pessoas que sofrem do transtorno, depois de ingerirem grandes quantidades de alimento, encontram uma forma de expulsá-lo do corpo por meio de ações como o vômito induzido, o jejum, a prática excessiva de exercícios físicos e o uso de laxantes e diuréticos.

 

Descoberta da doença e sintomas

Ao contrário do que acontece com os pacientes com anorexia, os que sofrem de bulimia não costumam apresentar grandes variações de peso. Além disso, as ações utilizadas para expulsar os alimentos ingeridos são realizadas secretamente, já que existe a vergonha ou o receio de expor o fato a amigos ou familiares. Dessa forma, as pessoas próximas a quem convive com esse transtorno alimentar só descobrem a doença quando alguns dos sintomas abaixo começam a aparecer:

 

  • Câimbras e dores musculares
  • Ritmo cardíaco anormal;
  • Desidratação;
  • Cáries;
  • Desequilíbrio eletrolítico;
  • Inflamação na garganta (causada pelo hábito de causar o vômito);
  • Calos no dorso da mão (causados pelo ato de causar o vômito).

 

Danos mentais

Apesar de, durante um tempo, o paciente com bulimia não demonstrar efeitos psicológicos graves e conseguir manter uma vida social, algumas atitudes e comportamentos podem evidenciar que ele sofre desse transtorno. A preocupação exagerada com o corpo, com padrões estéticos e até a sensibilidade excessiva em relação a comentários sobre peso podem ser alguns dos sinais. Além disso, é comum que os indivíduos que convivem com o distúrbio apresentem baixa autoestima e tenham uma visão distorcida de seus próprios corpos.

 

Danos físicos

 

O excesso de vômitos forçados causados pela bulimia pode levar o paciente a um quadro de inflamação crônica da garganta. Além disso, sintomas como dores de estômago, indigestão e refluxo tendem a se tornar frequentes. Esses problemas ainda podem causar doenças mais graves como úlcera e até a osteoporose, que deixa os ossos mais frágeis e suscetíveis a lesões. Outros sintomas comuns são as alterações nos batimentos cardíacos e a irregularidade no ciclo menstrual, no caso das pacientes mulheres.

 

Diagnóstico e tratamento

 

Além dos problemas relacionados a cultura da valorização de padrões de beleza, outros fatores como baixa autoestima e conflitos familiares e de identidade podem levar a bulimia. Para que a doença seja diagnosticada, estima-se que o paciente deve apresentar episódios de eliminação de alimentos ingeridos por pelo menos duas vezes na semana e durante, no mínimo, três meses.

 

O tratamento da bulimia deve ser feito por profissionais que devem atuar em conjunto: nutricionista, psicologo e psiquiatra pode auxiliar. O primeiro tem a missão de inserir o paciente em uma rotina alimentar correta, fazendo com que ele sinta prazer em comer e que ingira a quantidade de alimentos adequada. Já o psicólogo é o responsável juntamente com o próprio paciente por avaliar quais problemas levaram o paciente a apresentar tal transtorno e diminuir o sentimento de culpa por comer.  O psiquiatra pode auxiliar no tratamento medicamentoso. Outras medidas como terapia em grupo também é recomendada.