Apresentando o Políticas do Bem

Sou Diego Tinoco, médico psiquiatra e atualmente estudante de direito. Resolvi fazer direito para me preparar para colaborar na luta contra as injustiças do Brasil, principalmente contra os mais necessitados.

Estou fundando o Políticas do Bem e em busca de colaboradores para esse projeto sem quaisquer fins lucrativos.

Por que Políticas do Bem?

Você já viu como somos, como seres humanos, impactados pelas notícias ruins no nosso dia a dia?

Você já parou para refletir sobre isso?

Veja os jornais televisivos da noite, na hora do almoço, de manhã: como temos notícias ruins de todos os jeitos: falamos em corrupção, alagamentos, mortes, pontes que caem, prisões, falta de leitos no hospital, escolas caindo aos pedaços.

Enfim… é uma série de notícias ruins que todas os dias escutamos pelas mídias: sejam elas: TV, Jornais, Redes sociais. E muitas vezes nós mesmos propagamos isso em um simples bate papo, tendemos a noticiar e dar mais relevância as coisas ruins do dia a dia comparado às boas práticas que estão sendo feitas pelo Brasil afora na maioria das vezes.

E isso quer dizer que tem mais práticas tristes que boas sendo realizadas?
Não! Eu não imagino isso! E não acredito nisso. Eu acredito que nós como seres humanos, não valorizamos tanto as boas práticas feitas pelo ser humano e pouco as propagamos. E isso, ao meu ver, é sim um grande problema!

Vejamos: Ao propagar as notícias ruins o que estamos estimulando para quem escuta de forma direta ou indireta: as pessoas vêem as coisas ruins acontecerem e uma parcela pequena da população pode aprender o que é visto. Pode não fazer exatamente como foi descrito, mas muitas vezes pode se pensar: “ahh se eu fizer isso, não vai chegar nem aos pés do que eu vi na televisão, então vou fazer.” Ou pode impactar emocionalmente a pessoa de forma negativa, visto que ela só vê situações tristes, tendo uma imagem negativa do seu meio e ficando desanimada e triste por isso.

Vamos pensar pelo outro lado: nós, como seres humanos, costumamos aprender com as nossas experiências, vendo o que é feito e replicando. Vejamos dentro de nossas casas, quando crescemos ou com nossos filhos. Quando estamos pequenos aprendemos a andar e a falar vendo os outros a falar, fazemos gestos vendo os outros fazerem.

E exatamente por isso eu resolvi criar o Políticas do Bem.

Eu vejo a imensidão de coisas boas que são feitas nas nossas escolas, nos nossos bairros, nas faculdades, em algumas prefeituras (por que não?) e bairros.

A Políticas do Bem não trata-se apenas de grandes projetos políticos. De forma alguma. O que desejo é que no portal tenha diferentes tipos de políticas, de diferentes tamanhos, para diferentes municípios, estados ou União.

A postagem dos projetos foi dividida em tamanho da localização em que fora implantado o projeto; tema (educação, cultura, tecnologia, esporte, infraestrutura, afins); tipo de investimento (se você fez por conta própria, se foi um órgão público ou organização); e tempo de execução (se ainda é uma ideia, uma projeto um pouco mais elaborado e ou se já é uma realidade).

O objetivo aqui é ter uma plataforma do bem, com uma coletânea de boas políticas sendo feitas pelo Brasil afora, com detalhes mostrando quais foram as dificuldades de cada projeto, o que deu certo, o que não deu certo e o que poderia melhorar.

Por exemplo: quantas atividades são feitas nas nossas escolas promovendo e estimulando a educação, a cultura, a tecnologia, o esporte e são tão pouco compartilhados. Muitas vezes os projetos são compartilhados em grupos de whatsapp ou no próprio meio, mas pouco é difundido para outras pessoas.

Um projeto que você faz aí no seu bairro, na sua comunidade, e que proporciona o bem a população da região pode ser postado aqui no Politicas do Bem. Ele pode servir de exemplo para outras pessoas do Brasil a fazerem o mesmo!

Independente do tamanho do seu projeto, se ele foi feito com carinho e para o bem das pessoas, compartilhe ele aqui!!

Infelizmente para muitos de nós, seres humanos, compartilhar coisas boas, falar que fez coisas boas, para muitos isso é querer aparecer!!!

E temos que acabar com essa ideia maluca. Hoje nós temos uma imensidão de pessoas que fazem o bem, mas não compartilham o que fazem, pois não querem ser taxados de que estão fazendo determinada prática para aparecer!!!

É claro que existem algumas pessoas que fazem alguns projetos com apenas esse intuito exclusivamente, mas independente disso, temos que considerar o seguinte: o projeto foi para o bem comum das pessoas? Foi legal? As pessoas gostaram?

Se sim, esse projeto deve ser compartilhado para mais pessoas, não devemos ter vergonha disso. Seria um egoísmo nosso não compartilhar tais informações do projeto! Sabe por que?

Porque se você compartilha esse projeto, você pode ajudar muito mais pessoas!!! Se alguém achar que você está querendo se aparecer, deixa essa pessoa achar!!!

O importante é que, em algum lugar do país, uma pessoa pode ver o seu projeto e utilizar dele como uma semente para fazer o mesmo ou algo semelhante em outro lugar do Brasil, e com isso ajudar mais e mais as pessoas!

Então, se você tem um projeto legal, independente do tamanho, compartilhe ele aqui no Politicas do Bem.

Nós iremos analisá-lo e se estiver dentro da nossa política iremos publicar no nosso site.

Não iremos aprovar projetos que tenham o nome de partidos políticos e que foram feitos exclusivamente para benefício de apenas uma pessoa. O interessante é que o projeto ajude mais de uma pessoa ou família, sendo ele um projeto na escola ou na sua comunidade, até um projeto de um vereador, deputado, senador ou governador, desde que não faça propaganda do partido político esteja vinculado.

Se você já fez um projeto legal, clique no botão e envie as respostas do nosso questionário para publicarmos o seu projeto.

Vamos lá?

Clique no link abaixo e poste seu projeto:

https://politicasdobem.com.br/postar-projeto/

PS: Caso tenha interesse em nos ajudar voluntariamente e propagar essa ideia do Politicas do Bem, envie um email para contato@politicasdobem.com.br

#politica #saude #segurança #urbanismo #cultura #esporte #tecnologia#educação #social

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *