Câncer de mama e mamografia

mama

Saiba mais sobre a doença, o exame preventivo e os tratamentos

 

O câncer de mama consiste em um tumor maligno que se apresenta na mama por conta de alterações genéticas em algum conjunto de células que passam a se dividir descontroladamente. Com isso, acontece um crescimento fora do comum das células mamárias, tanto do ducto mamário quanto dos glóbulos mamários.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse é o tipo de câncer que mais atinge mulheres em todo o mundo. De acordo com a entidade, a cada ano 1,38 milhões de pessoas apresentam a doença, enquanto 458 mil mortes são registradas. No Brasil, o Ministério da Saúde estima que 52.680 novos casos surgem a cada ano, o que pode resultar em um número de 52 entre 100 mulheres possuírem o câncer de mama.

 

Prevenção por meio da mamografia

 

A prevenção do câncer mama deve ser levada a sério e pode ser feita tanto com procedimentos médicos, quanto com os famosos auto-exames. A mamografia se destaca como o método mais eficiente de identificar a doença, já que é um tipo de radiografia que tem a capacidade de identificar sinais do tumor antes mesmo que as lesões se tornem palpáveis.

 

Além de avisar sobre a possível presença da doença, o exame ainda pode ajudar a verificar a necessidade de tratamentos intensivos para os tumores e na conservação da mama, caso seja preciso realizar uma cirurgia. A mamografia é realizada com um mamógrafo, um tipo de aparelho de raio x que comprime a mama, visando oferecer imagens de alta qualidade e que facilitem o diagnóstico. Essa compressão é responsável por garantir a eficiência do processo e o desconforto que ela pode gerar é suportável.

 

A faixa etária para realizar a primeira mamografia vai dos 35 ao 40 anos. Depois dessa fase e até os 50, a frequência do exame deve aumentar de acordo com recomendações médicas. Após esse período, é indicado que o procedimento seja realizado anualmente. É importante lembrar que, apesar do auto-exame ser importante, ele não substitui a mamografia, já que indica apenas lesões em estágios avançados.

 

Principais tratamentos

 

Os tratamentos para o câncer de mama podem ser divididos em dois tipos: o cirúrgico e o clínico. O primeiro envolve tratamentos relacionados a cirúrgia com as tumorectomias, as quadrantectomias e os radicais – conhecidos como mastectomias. Já o tratamento clínico consiste em diversos tipos de medicamentos conhecidos como quimioterápicos e hormonioterápicos, sendo que cada um deles exerce uma função e pode causar um efeito colateral diferente.

 

A radioterapia, que pode ser enquadrada na categoria de procedimentos cirúrgicos e conservadores, também se destaca no tratamento do câncer de mama. O método utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células anormais que formam o tumor. De maneira geral, a doença deve ser tratada individualmente, de acordo com as características de cada pessoa e com o estágio da doença.