A importância da prevenção das DSTs

doenças sexualmente transmissiveis

Saiba como se proteger de doenças sexualmente transmissíveis

A DST, sigla para doença sexualmente transmissível, consiste em uma série de síndromes ou patologias que podem ser transmitidas durante a prática sexual, ou seja, por meio de líquidos vaginais ou do esperma masculino. No Brasil, os números são alarmantes, principalmente, quando se trata da sífilis ou da aids, duas das principais doenças transmitidas por meio do sexo.

No caso da aids, a última pesquisa realizada mostra que, enquanto em 2005 a cada 100 mil jovens de 20 a 24 anos, cerca de 16,2 possuíam a doença, em 2015 o número aumentou para 33,1. Já no caso da sífilis, apenas no Estado de São Paulo, os números aumentaram 603% em apenas seis anos, já que em 2007 cerca de 2.694 portavam a doença, enquanto em 2013 o índice subiu para 18.591.

A falta de preocupação com as reais consequências das DSTs e o fato delas ainda serem consideradas, por muitos, um tabu, são os fatores que mais preocupam. 

A falta de informação ainda pode ser vista como um motivo para a propagação das DSTs, porém devido ao aumento nas campanhas de conscientização, outro fator que deve ser levado em conta é a sensação de que esse problema “só acontece com os outros”, o que faz com que muitas pessoas mantenham relações sexuais sem os cuidados necessários. 

Principais DSTs:

 

Aids: causada pelo vírus HIV, que pode ser transmitido pelo contato com sangue, sêmen ou fluidos vaginais infectados, a doença interfere na capacidade do organismo de combater infecções. Apesar de ter tratamento, a doença não tem cura.

 

Sífilis: A infecção bacteriana é transmitida pelo contato sexual e começa como uma ferida indolor. A doença progride em fases que causam, inicialmente, erupções cutâneas, mas também podem resultar em danos no cérebro, nervos, olhos e coração.

 

Clamídia: mais comum em mulheres jovens, a clamídia é uma doença que, em muitas pessoas, não apresenta sintomas. Mesmo assim, o risco de infecção continua o mesmo. Os sintomas incluem dor genital e secreção pela vagina ou pênis.

 

Gonorréia: infecção bacteriana sexualmente transmissível que, quando não tratada, pode causar infertilidade. Os sintomas incluem dor ao urinar e secreção anormal no pênis ou vagina. Os homens podem sentir dor testicular e as mulheres, dor pélvica.

 

Como se prevenir?

 

O uso da camisinha é uma das principais maneiras de prevenção contra DSTs. Porém, apesar das incessantes campanhas de incentivo ao uso de tal material, muitas pessoas, incluindo jovens, reclamam do incômodo gerado pelo preservativo durante a atividade sexual, o que faz com que seja propagada uma ideia de que ele não é necessário.

 

Apesar disso, principalmente em relações casuais, a camisinha, tanto masculina quanto feminina, deve ser utilizada em qualquer tipo de atividade sexual, incluindo o  sexo oral e o anal. Além disso, é indicado que se faça testes periódicos, que hoje são realizados gratuitamente em postos comunitários de todo o País.

 

Outro ponto importante é que, caso um casal opte por realizar o sexo sem proteção, seja porque pretendem ter um filho, ou apenas por firmarem uma relação estável, é crucial que os dois realizem todos os exames preventivos. No caso das gestantes, para evitar a transmissão de alguma DST para seus filhos, é recomendado iniciar o pré-natal o mais cedo possível.