Quem nunca discutiu em sala de aula?

Não julgue, escute

Quem nunca discutiu em sala de aula ou ambiente de #trabalho?

E hoje aconteceu uma situação incômoda na sala de aula, momento esse em que eu não estava presente, porém tive notícias.

Na verdade, acredito que todos os dias e em todos os momentos acontecem discussões em sala de aula ou em ambientes de trabalhos que geram situações constrangedoras para alguns e de sofrimento para outros.

Acredito que todos vivenciamos isso em nossa #vida.

O fato é que precisamos interromper um pouco esse processo de quem estava certo ou errado, e começarmos a refletir sobre o bem estar #emocional do outro.

Repare: após uma discussão qualquer, normalmente queremos saber o que aconteceu, como a pessoa agiu, se nós fariamos ou não a mesma coisa que a pessoa da discussão fez, e depois julgamos se essa pessoa foi certa ou errada. Normalmente temos esse hábito. Não digo que todos têm, mas pelo menos é o que vejo em várias situações.

Mas muitas vezes não perguntamos como é essa pessoa, Qual a história dela, o que ela está passando nesse momento atual da vida, no seu dia a dia. Será que ela está sofrendo ou não? Será que ela esta triste? Está mais preocupada com a vida?

Não quero ser demagogo e justificar o que ela fez ou deixou de fazer pelo o que ela está passando nesse momento. Mas quero ressaltar que muitas vezes a discussão de sala de aula ou de ambiente de trabalho pode ser muito pequeno para o sofrimento que vivemos dentro de nós mesmo, e pode ser esse mesmo ambiente de sala de aula que pode nos ajudar a melhorar o sofrimento e não piorar.

Antes de julgarmos um ao outro, vamos tentar entender o que está acontecendo, vamos escutar mais e julgar menos.

Quem somos nós?

Nós somos “ser humano” que frequentamos por vezes, ou uma determinada sala de aula ou um determinado ambiente de trabalho.

E são nesses locais que passamos uma boa parte de nossa vida #diária. E são nesses locais que poderemos aprender com outros seres humanos.

São nesses locais que podemos aprender a praticar o bem, a escutar mais o outro e julgar menos o outro.

Quando discutimos ou brigamos com alguém, ninguém sai feliz.

Pelo contrário, todos ficam tristes com a situação.

Quando discutirmos ou brigarmos com alguém; em vez de praticar atos impulsivos de responder em tom elevado, xingar o outro; por mais difícil que seja (sei que é muito difícil), vamos tentar escutar aquele que te xinga, respeitá-lo, por mais que não ocorra respeito do outro lado naquele momento.

Posteriormente, após o outro se tranquilizar, vamos novamente escuta-lo no sentido de saber se há algo que possamos fazer para melhorar a vida do outro.

Muitas vezes, o simples fato de não revidarmos e escuta-lo, podemos auxiliar e ajudar o outro.

Na hora que discutir com o outro, vamos evitar o julgamento, por mais que queiramos fazer uma fofoquinha aqui ou ali.

Se formos fazer uma fofoquinha, vamos fazer a “fofoquinha do bem”, tentar entender o que podemos fazer pelo outro, e assim, quem sabe, entendermos as dificuldades dos outros e aprendermos com o outro.

Se nós somos capazes de falar com o outro quando estamos nervosos,

nós também podemos treinar o poder de escutar e não revidar em tom mais alto ou de maneira mais ríspida.

São nos ambientes em grupo, seja uma sala de aula ou ambiente de trabalho que vivenciamos grande parte da nossa vida. Vamos utilizar desses ambiente para aprendermos com o outro não apenas nos momentos bons, mas nas adversidades.

São essas pessoas que estão ao nosso lado diariamente. Não fazemos fazer delas nossos inimigos.

Vamos aproveitar a oportunidade de uma discussão para aprendermos a escutar e fazermos desse momento uma possibilidade de gerar mais um laço de amizade.

Desde quando nascemos precisamos de pessoas para nos ajudar a vestir, comer, andar. E muitas vezes morremos precisando de auxílio de terceiros para vestir, comer e andar.

Seria muito orgulho de nossa parte dizermos que não precisamos de ninguém durante nossa vida adulta. Se aprendermos a ser humilde o suficiente para entender que aquela pessoa que você mais discute, menos conversa, mas está sempre ao seu lado fisicamente, pode ser a pessoa que irá proporcionar um grande ensinamento na hora que você menos espera.

Cultive quem está ao seu lado. Aprenda com quem está ao seu lado. Escute quem está ao seu lado.

Não julgue, escute.

Não é fácil.

É gratificante.

É felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *