Violência doméstica e abusos sexuais

violência contra mulheres

Conheça a origem desse problema e saiba quando ajudar

A violência doméstica é uma realidade triste no Brasil e que apresenta números cada vez mais assustadores. Segundo o Instituto Maria da Penha, a cada 7,2 segundos uma mulher é vítima de violência física. Além disso, o artigo Mapa da Violência registrou, em 2015, que 13 mulheres em 2013 foram vítimas do feminicídio, ou seja, foram mortas por conta do seu gênero. Cerca de 30% delas foram assassinadas por parceiros ou ex parceiros.

Um dos fatores que mais contribuem para o crescimento desses casos é o medo da denúncia. Segundo o Instituto Avon, a violência doméstica atinge mais de 2 milhões de mulheres em todo o Brasil, em casos que podem ir desde agressões físicas e psicológicas, até situações de abuso sexual. Dessas mulheres, a pesquisa estima que apenas 63% denunciam a agressão.

Abusos sexuais em ambientes domésticos

A violência doméstica pode abrir, muitas vezes, espaço para o abuso sexual. A agressividade sem explicação e a sensação de superioridade que o homem tem sob a mulher, pode fazê-lo achar que o corpo dela lhe pertence, o que faz com que muitos forcem relações sexuais com suas parceiras que, com medo da violência, acabam cedendo.

Apesar da violência doméstica estar, na maioria das vezes, atrelada a problemas conjugais, ela também vitimiza um grande número de jovens em todo o Brasil. Segundo o Anuário Brasileiro da Segurança Público, foram registrados um caso de estupro a cada 11 minutos no País em 2015, sendo que 70% das vítimas eram crianças e adolescentes. Esses abusos foram cometidos, na maior parte das vezes, por homens próximos ou da família da vítima, ou seja, em um ambiente doméstico.

Outro dado alarmante é que, segundo estimativas que podem variar, apenas 10% dos casos de estupros são registrados. Ou seja, caso esse número seja verdadeiro, é possível que ocorram quase meio milhão de casos de abusos sexuais por ano no Brasil. Dentro desse panorama, é provável que a maior parte dos casos ocorra em ambientes intrafamiliares, seja em relações conjugais ou por meio do abuso de crianças e adolescentes e até de incapazes mentalmente.

Quando e como ajudar?

O assunto violência doméstica é visto, muitas vezes, como um problema particular, ou seja, que não cabe a intervenção de terceiros. Porém, uma das principais formas de exterminar essa mentalidade que propicia o abuso, principalmente de mulheres, é por meio da denúncia. Esse ato que nem sempre é realizado pelas vítimas por conta do medo de retaliações dos agressores, pode ser feito através do serviço de telefone 180, criado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

Outro meio de ajudar a acabar com essa triste realidade é promovendo ideias que disseminem o fim do machismo e da violência doméstica. Isso porque os números altos de casos de abusos, sejam físicos ou sexuais, são decorrentes de pensamentos antigos e que prevalecem até hoje, fazendo com que o homem se sinta no direito de fazer o que quiser com pessoas do sexo oposto, como agredir, abusar sexualmente e até matar.