Pesquisar

Além das Críticas: Caminhos Encorajadores para Conviver com o TDAH

Last Updated on 23 de março de 2024 by Diego Tinoco

apoio ao tdah

Entendendo o TDAH: Um Novo Olhar Sobre Velhos Comentários

Quando falamos de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), é comum que pais, educadores e até amigos repitam frases que, embora populares, podem não ser as mais encorajadoras. Frases como “Por que você não consegue prestar atenção?” ou “Você esqueceu de novo?” refletem uma incompreensão sobre o que realmente é o TDAH e os desafios diários enfrentados por quem convive com esse transtorno.

Mensagens e comentários frequentemente dirigidos a pessoas com TDAH podem variar em tom e conteúdo, mas muitos tendem a enfatizar críticas a comportamentos impulsivos ou desatentos. Essas observações, muitas vezes, não levam em conta as dificuldades inerentes ao TDAH, como a luta por autocontrole, gerenciamento do tempo e regulação emocional. 

Aqui estão alguns exemplos de frases e termos semelhantes que pessoas com TDAH podem ouvir regularmente:

  • “Por que você não pode se concentrar?”
    • Esta pergunta não reconhece a luta interna que uma pessoa com TDAH enfrenta para manter a atenção em tarefas que podem parecer monótonas ou menos estimulantes.
  • “Você está sempre no mundo da lua.”
    • Comentários assim podem fazer alguém com TDAH sentir-se desvalorizado por sua dificuldade em manter a atenção.
  • “Você esqueceu isso de novo?”
    • A memória de trabalho muitas vezes é afetada pelo TDAH, levando a esquecimentos que não são intencionais.
  • “Você nunca termina o que começa.”
    • Pessoas com TDAH podem iniciar muitos projetos com entusiasmo, mas lutam para completá-los devido a dificuldades com persistência e gerenciamento do tempo.
  • “Não seja tão impulsivo.”
    • A impulsividade é um aspecto do TDAH que pode ser desafiador de controlar sem estratégias ou intervenções adequadas.
  • “Você está agindo como uma criança.”
    • Tal comentário pode ser particularmente prejudicial, pois ignora as reais dificuldades que a pessoa com TDAH enfrenta e implica imaturidade.
  • “Você precisa se esforçar mais.”
    • Frases como essa podem sugerir equivocadamente que os desafios associados ao TDAH são uma questão de vontade ou esforço, em vez de dificuldades neurobiológicas.
  • “Por que você não pode ser mais organizado?”
    • A organização pode ser extremamente desafiadora para alguém com TDAH, devido a dificuldades com planejamento e priorização.
  • “Você sempre interrompe os outros.”
    • A impulsividade pode fazer com que indivíduos com TDAH falem sem esperar a vez, o que não é feito por desrespeito.
  • “Você é tão preguiçoso.”
    • Este julgamento ignora o esforço real que uma pessoa com TDAH aplica diariamente para superar seus desafios.

É importante reconhecer que essas frases, embora muitas vezes ditas sem intenção de machucar, podem ter um impacto negativo significativo na autoestima e na percepção de capacidade de uma pessoa com TDAH. 

Isso ocorre porque elas focalizam principalmente nas dificuldades e limitações associadas ao TDAH, em vez de reconhecer o esforço e as estratégias que a pessoa pode estar empregando para lidar com seus desafios. 

A comunicação positiva, que foca em forças e potenciais em vez de limitações, pode ser muito mais eficaz e encorajadora.

Para abordar as questões comuns enfrentadas por pessoas com TDAH de maneira mais positiva e construtiva, é importante adotar uma abordagem empática, focada no encorajamento e no suporte. Aqui estão alternativas para as frases mencionadas, visando promover um ambiente positivo e de crescimento:

  • Em vez de: “Por que você não pode se concentrar?”
    • Experimente: “Quais estratégias podemos usar para ajudar você a se concentrar melhor nesta tarefa?”
  • Em vez de: “Você está sempre no mundo da lua.”
    • Experimente: “Parece que você tem muitos pensamentos. Vamos encontrar maneiras de ajudar a focar quando precisar.”
  • Em vez de: “Você esqueceu isso de novo?”
    • Experimente: “Vamos pensar em um sistema de lembretes que possa ajudar você a se lembrar disso no futuro.”
  • Em vez de: “Você nunca termina o que começa.”
    • Experimente: “Você começou muitos projetos interessantes. Vamos escolher um para focar e pensar em um plano para completá-lo.”
  • Em vez de: “Não seja tão impulsivo.”
    • Experimente: “Vamos trabalhar juntos em maneiras de pensar antes de agir, o que acha de tentarmos algumas técnicas de pausa e reflexão?”
  • Em vez de: “Você está agindo como uma criança.”
    • Experimente: “Todos nós temos momentos de dificuldade. Vamos conversar sobre como podemos lidar com essas situações de maneira que você se sinta bem.”
  • Em vez de: “Você precisa se esforçar mais.”
    • Experimente: “Sei que você está se esforçando. Vamos ver como podemos ajustar nossas abordagens para tornar isso mais gerenciável.”
  • Em vez de: “Por que você não pode ser mais organizado?”
    • Experimente: “A organização pode ser um desafio. Que tal explorarmos alguns métodos juntos para encontrar o que melhor funciona para você?”
  • Em vez de: “Você sempre interrompe os outros.”
    • Experimente: “Entendo que você fica empolgado para compartilhar suas ideias. Vamos praticar esperar um momento antes de falar, para dar a todos uma chance de contribuir.”
  • Em vez de: “Você é tão preguiçoso.”
    • Experimente: “Parece que você está tendo dificuldade em começar. Vamos conversar sobre o que está acontecendo e como posso ajudar.”

Essas alternativas focam em soluções colaborativas e entendimento, em vez de julgamento ou crítica. Elas reconhecem os desafios únicos enfrentados por pessoas com TDAH e buscam maneiras de apoiar o desenvolvimento de habilidades e estratégias de enfrentamento. Abordar as questões dessa forma pode ajudar a promover a autoestima, a autonomia e o bem-estar emocional.

A importância de priorizar elogios e feedback positivo para crianças com TDAH é um tema muito próximo ao coração de muitos pais, educadores e profissionais de saúde mental. Compreender a influência profunda que as mensagens que transmitimos podem ter sobre as crianças, especialmente aquelas com TDAH, é crucial para promover seu bem-estar e desenvolvimento saudável.

Crianças com TDAH frequentemente recebem uma quantidade desproporcional de feedback negativo ao longo de sua infância e adolescência. Essas mensagens negativas podem vir de diversas fontes e, infelizmente, contribuem para uma percepção negativa de si mesmas, o que pode persistir até a idade adulta. A comunicação negativa constante pode enfraquecer a autoestima da criança, fazendo-a sentir-se indesejada, incompetente e até mesmo defeituosas

Dicas Práticas para proporcionar apoio a pessoa com TDAH

Aqui estão algumas dicas práticas para priorizar elogios eficazes para seu filho com TDAH:

1. Seja Específico com Seus Elogios

Evite elogios genéricos. Em vez disso, identifique comportamentos específicos ou conquistas. Por exemplo, “Achei incrível como você se concentrou na sua tarefa de matemática hoje” ou “Fiquei muito feliz em ver você compartilhando seus brinquedos com seu irmão”.

2. Reconheça o Esforço, Não Apenas o Resultado

Crianças com TDAH muitas vezes lutam mais do que outras para completar tarefas ou seguir regras. Valorize o esforço e a persistência, mesmo que o resultado final não seja perfeito. Isso pode encorajá-las a continuar tentando.

3. Estabeleça Uma Comunicação Positiva

Tente equilibrar qualquer feedback negativo com várias peças de feedback positivo. Isso não significa ignorar comportamentos que precisam ser corrigidos, mas sim assegurar que as mensagens positivas sejam mais frequentes e destacadas.

4. Crie Oportunidades para Sucesso

Organize situações em que seu filho possa ter sucesso e ser elogiado. Pode ser algo simples, como completar uma pequena tarefa doméstica ou seguir uma rotina matinal sem lembretes.

5. Celebre as Diferenças

Ajude seu filho a ver o TDAH não apenas como um conjunto de desafios, mas também como uma fonte de qualidades únicas, como criatividade, energia e a capacidade de pensar de forma não convencional. Encontre e elogie esses aspectos.

6. Use o Reforço Positivo de Maneira Consistente

O reforço positivo funciona melhor quando é usado consistentemente. Tente ser regular com seus elogios e reconhecimento das conquistas do seu filho.

7. Encoraje a Autoaceitação e o Crescimento Pessoal

Promova um ambiente onde a autoaceitação é valorizada. Encoraje seu filho a entender que todos têm pontos fortes e desafios, e que está tudo bem em trabalhar para melhorar a si mesmo sem se sentir “defeituoso”.

Lembrar que cada criança é única e o que funciona para uma pode não funcionar para outra é fundamental. Ser paciente, amoroso e adaptável são qualidades importantes ao aplicar essas estratégias. A chave é comunicar-se de uma maneira que faça seu filho se sentir valorizado, competente e amado, independentemente dos desafios que possam enfrentar.

Referências: Lerdpaisanskul, Muthita & Boonchooduang, Nonglak & Charnsil, Chawanun & Louthrenoo, Orawan. (2017). Self-esteem in children with attention-deficit/hyperactivity disorder. Chiang Mai Medical Journal. 56. 1-7.

Compartilhe o Post nas redes sociais:
Diego Tinoco

Diego Tinoco

Diego Tinoco é cidadão brasileiro. Nasceu em Curvelo-MG e atualmente reside em Belo Horizonte. É médico, psiquiatra pelo Hospital das Clínicas da UFMG, pós graduado em saúde da família pela UFMG. Nesse site você encontra opiniões do cidadão sobre a vida e o mundo.

Posts Relacionados ao tema

Funcionamento Executivo em TEA e TDAH: Existem Diferenças?

Funcionamento Executivo em TEA e TDAH: Existem Diferenças?

Descubra como o estudo de Parker Townes et al. desafia as noções tradicionais sobre as diferenças na função executiva entre indivíduos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), oferecendo novas perspectivas sobre esta condição.

Leia mais