Entenda os efeitos da cocaína no corpo humano

Entenda os efeitos da cocaína no corpo

humano

 

A droga devasta rapidamente o usuário e, por isso, é considerada uma das drogas mais perigosas que existem. Sua produção é feita por meio de processos químicos, em que o hidrocloreto de cocaína é retirado das folhas de coca, uma planta originária da América do Sul.

Esta substância é considerada ilícita, pois seus componentes psicoativos agem diretamente no sistema nervoso central, provocando alterações cerebrais estimulantes e causadoras de dependência psíquica profunda.

A cocaína é consumida, geralmente, por aspiração nasal ou via intravenosa (injetada diretamente na corrente sanguínea). Por aspiração nasal, os efeitos aparecem entre 10 e 15 minutos. Já por via intravenosa, os efeitos surgem em 3 a 5 minutos após ser injetada.

Efeitos da droga

A cocaína é uma substância que provoca ação estimulante e seu uso aumenta as atividades cerebrais, influenciando as áreas motoras e sensoriais do corpo. Os efeitos imediatos se manifestam de maneira geral no organismo.

Após algumas semanas de uso, já é perceptível um emagrecimento profundo, o sangramento do nariz, insônia e coriza persistente. O uso é evidenciado pela dilatação da pupila, pelo aumento da frequência cardíaca, pela hiperatividade e pelo aquecimento da temperatura do corpo.

Seus efeitos duram cerca de 30 minutos, mas isso pode variar de organismo para organismo.

Efeitos da cocaína no organismo

A cocaína aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, podendo causar um infarto, mesmo em pessoas jovens e saudáveis. Além disso, a droga pode causar nervosismo extremo, constipação, alucinações, insônias, delírios e comportamento violento.

Em mulheres gestantes, o uso da cocaína pode causar o aborto ou, ainda, prejudicar o desenvolvimento do feto.

Efeitos da cocaína no comportamento

Com o uso frequente da substância, não só o corpo sofre, mas o comportamento do dependente apresenta algumas alterações.

Dentre os efeitos, podemos citar o desinteresse pelo trabalho, a desmotivação, a agressividade e o descontrole. O dependente passa não se interessar por mais nada além da própria droga.

Uso contínuo da cocaína

O uso contínuo da cocaína pode levar o dependente a ter efeitos físicos, crônicos e psíquicos: hemorragias, depressão, perda de memória, falhas renais, psicose, infarto e várias outras complicações.

A droga pode causar uma overdose, o excesso de uma determinada substância no organismo. Com a cocaína, esse risco é enorme, já que a dependência leva o usuário a consumir, cada vez mais, a droga. A overdose desta substância causa insuficiência cardíaca ou respiratória e pode levar à morte.

Tratamentos

Muitas vezes, o dependente químico está do nosso lado, seja ele um familiar ou um amigo próximo. Mas, como ajudar?

Primeiramente, é preciso identificar o usuário de cocaína. Sinais como os citados acima ou, até mesmo, a confissão do vício já é o primeiro passo para tomar alguma atitude.

Atualmente, existem tratamentos com médicos, psicólogos, grupos como narcóticos anônimos ou outras organizações não governamentais que se unem para ajudar nesse tratamento.

A família e os amigos são extremamente importantes nessa etapa, pois são eles que apoiam e acompanham o usuário de cocaína. É preciso construir uma relação de confiança. É importante que o familiar ou o amigo sinta que sua ajuda é essencial na recuperação, transmitindo apoio, compreensão e esperança.