A saúde mental dos profissionais de saúde na pandemia

Com o surgimento do coronavírus, a superlotação dos hospitais culminou em diversos problemas de saúde pública que chamaram a atenção para o despreparo do nosso sistema.  Mas também ocasionou graves danos à saúde mental dos profissionais de saúde que estavam na linha de frente da pandemia.
Isso porque esses profissionais enfrentaram uma das mais graves crises da nossa era e precisaram ficar afastados da família e em contato com o luto no seu dia a dia.
A situação exaustiva resultou em cerca de 80% dos profissionais de saúde com algum problema de saúde mental no final de 2020, segundo pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Estudos da Burocracia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Dados da Agência Brasil revelam que as doenças mais diagnosticadas entre os profissionais de saúde foram ansiedade, 85,6%, transtorno de estresse pós-traumático, 45,5% e depressão, 16%.
Os índices alarmantes não são a única prova de que a saúde mental da equipe responsável pela saúde está se deteriorando. A procura pelos medicamentos ansiolíticos e antidepressivos por essas pessoas chama a atenção para a necessidade de tratamento junto à uma equipe interdisciplinar.

Quem são os profissionais de saúde?

A classe médica e os profissionais de enfermagem são automaticamente ligados à área de saúde, pois costumam ser os primeiros contatos com os pacientes nos hospitais. No entanto, eles contam com uma rede de apoio de diferentes aspectos da área de saúde, como assistentes sociais, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e outros. 
Estes profissionais, com predominância feminina, tiveram o desgaste emocional originado pela intensa jornada de trabalho e pela desvalorização, fatores que já se apresentavam antes mesmo da pandemia.
Some-se a esses fatores a grave crise, no Brasil e no mundo, ocasionada pela COVID-19, que potencializou problemas de sono, humor e outros relacionados à saúde mental dos profissionais de saúde.
Entretanto, uma análise de subgrupo demonstrou que os índices mais altos de sintomas se manifestou em profissionais do sexo feminino e funcionários da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Cuidar de quem cuida da gente

Os profissionais de saúde precisam estar com a saúde mental em dia, pois exercem uma função que envolve pressão, muita responsabilidade e precisam tomar decisões difíceis.
Buscar ajuda quando a saúde mental está afetada é extremamente importante, de modo que já existem mecanismos de suporte oferecidos especificamente para esse público.
O acompanhamento psicológico é fundamental, por isso é importante buscar profissionais da psiquiatria e psicologia preparados para esse tipo de suporte. 
Outras possibilidades gratuitas de atendimento para tratamento de problemas de saúde mental para profissionais de saúde são:

  • O TelePSI. Trata-se de uma iniciativa do Ministério da Saúde em parceria com o Hospital de Clínicas de Porto Alegre para oferecer teleconsultas psicológicas e psiquiátricas aos profissionais da saúde, mediante cadastro pelo site oficial.
  • Agir Para Salvar Vidas. É um projeto que tem como objetivo aproximar mais de 900 psicólogos voluntários para ajudar aqueles que estão na linha de frente no combate à pandemia da COVID-19.
  • Setembro Amarelo. Embora seja uma campanha de prevenção muito associada ao mês de Setembro, pode ser acionada o ano todo para orientações relacionadas à prevenção e cuidado à saúde mental. A iniciativa é fruto de uma parceria entre a Associação Brasileira de Psiquiatria  (ABP) e o Conselho Federal de Medicina (CFM).

Contar com a ajuda de colegas para solucionar problemas relacionados à saúde mental é uma excelente alternativa de tratamento, embora a prevenção também seja necessária. 
Para não chegar a uma crise de estresse, recomenda-se equilibrar a vida pessoal e profissional, mesmo com tanta demanda como ocorre em tempos pandêmicos.

A prevenção como solução

Algumas recomendações podem ser levadas em consideração para prevenir problemas relacionados à saúde mental dos profissionais de saúde.

Mantenha hábitos saudáveis

É fundamental manter hábitos saudáveis, como ter uma alimentação equilibrada, manter o sono regular e evitar consumo excessivo de álcool ou medicamentos.

Pratique esportes

A prática de atividades físicas também ajuda a reduzir as chances de desenvolver distúrbios mentais, pois os exercícios liberam neurotransmissores responsáveis pela sensação de felicidade e bem-estar.

Separe a vida pessoal da profissional

Muitos profissionais da área de saúde vivem para trabalhar e passam por longas jornadas de trabalho diárias. Essas pessoas sentem alguma dificuldade em se desligar da sua atividade profissional e muitas vezes leva preocupações para casa.
Por isso, é importante silenciar as mensagens do celular provenientes dos grupos de trabalho quando estiver de folga e priorizar as relações com familiares e amigos. 
Ter um momento para cuidar de si mesmo, como um banho relaxante ou ver um filme no cinema, é importante para evitar o cansaço mental constante, mesmo fora do ambiente de trabalho.
É preciso desmistificar a ideia de que profissionais de saúde não precisam de tratamento de cunho psicológico. Isso significa cuidar daqueles que cuidam de todas as pessoas e muitas vezes priorizam seus trabalhos em detrimento da sua saúde.

Share the Post:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Related Posts